quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Queijo Serra da Estrela: um manjar português totalmente artesanal

 

Descubra a origem de uma das iguarias mais saboreadas do país

http://imagens.pressmanager.net/images/assessorias/131/2017/10/18/imagem_release_1102166.jpg

Ao visitar Portugal, o turista irá descobrir que as riquezas gastronômicas vão muito além do tradicional bacalhau ou do ilustre pastel de nata. Prova disso é o famoso queijo da Serra da Estrela, uma verdadeira iguaria portuguesa produzida de forma totalmente artesanal. Seu exterior é uma casca de consistência mais dura e o interior é derretido e apetitoso. O sabor rústico e com um toque acidulado conquista a todos. 

Localizada no Centro de Portugal, a Serra da Estrela é uma região montanhosa onde vivem as famílias que criam as ovelhas da raça Borbaleira. O leite desses animais é a matéria-prima para a produção do queijo, que começou no século 16. Seu grande diferencial está no tradicional processo de elaboração da coalhada, feita artesanalmente com flor do cardo, uma planta natural das terras mediterrâneas utilizada como coagulante para fazer os queijos. O processo inteiro é longo e cuidadoso, feito entre os meses de maio e novembro.

A cidade de Celorico da Beira é considerada a capital do queijo da serra. Nela, é possível adquirir este manjar, incluindo suas variações de qualidades. Para conhecer melhor a história desse produto, o Museu do Agricultor e do Queijo oferece atividades que mostram o método de confecção do início ao fim. E se quiser saborear a iguaria, não deixe de conhecer também o Solar do Queijo da Serra, no edifício Paços do Concelho.

O queijo da Serra da Estrela é um produto de origem protegida, ou seja, que só pode ser produzido onde foi criado. Porém, isso não quer dizer que as opções de lugares para comprá-lo sejam limitadas. Cidades como Fornos de Algodres, Gouveia, Manteigas, Oliveira do Hospital e Seia são apenas alguns exemplos de onde é possível saborear este incrível e saboroso item da gastronomia portuguesa.

 

 

 

 

quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Roteiro Primavera no Rio de Janeiro (O que fazer)

 

 

 

 

Rio de flores, cores e sabores 

Parques e jardins da capital fluminense são um convite para celebrar a Primavera

 

parque

 

Famoso pelas praias que vão do Leme ao Pontal, o Rio de Janeiro abriga também uma diversidade de parques e jardins que brotam aos olhos dos visitantes durante a primavera.  

 

jardim 02

 

Entre os atrativos mais ilustres está o Jardim Botânico, que reúne centenas de coleções raras de bromélias e orquídeas, além de árvores centenárias e plantas exóticas. Isso tudo sem falar no belo caminho envolto de palmeiras imperiais, que já virou cartão postal da cidade (foto). Fundado em 1808 por Dom João VI, o Jardim Botânico também guarda obras de artes, como as estátuas de Eco e Narciso de mestre Valentim e o Portal da Academia de Belas Artes, projetado por Grandjean de Montigny. 

 

museu

 

Já no bairro de Santa Teresa está o Museu Chácara do Céu, lugar perfeito para curtir cultura, natureza e uma belíssima vista de 360 graus da cidade. O museu conta com exposições fixas e temporárias, e mantêm dois cômodos originalmente mobiliados, preservando a antiga residência do colecionador Raymundo Castro Maya. Seu acervo tem quadros da época modernista, como Guignard, Di Cavalcanti e Portinari, além de pinturas da capital fluminense no século 19. 

 

escadaria

 

Vizinho dali, está o boêmio bairro da Lapa. Um bom caminho para chegar até lá é descer os 215 degraus da colorida Escadaria Selarón, do pintor e ceramista chileno Jorge Selarón. Com 125 metros, a escadaria mais famosa do Rio de Janeiro é composta de 2 mil azulejos provenientes de mais de 60 países. 

 

feira

 

Mas chegando lá em baixo, o que fazer? Além daquela foto nos tradicionais Arcos da Lapa, vale a pena dar uma esticada até a Rua do Lavradio e imediações, onde acontece, todo primeiro sábado do mês, a Feira Rio Antigo. Entre os dias 18 e 28 de outubro, a região estará enfeitada para o Oktoberfest Rio Festival. Com 10 dias de programação, a versão carioca da festa alemã vai contar com circuitos gastronômico e cervejeiro, com a participação de bares e restaurantes da Lapa, Cinelândia, Lavradio, Tiradentes e Carioca. As casas terão pelo menos três pratos alemães no cardápio e uma variedade de chopes e cervejas artesanais. Nos dias 21 e 28 de outubro, será a vez da Oktoberfest Rio Parade, com programação nas ruas, desfiles de carros de grupos folclóricos e bandas.  

 

jardim

 

Saindo do Centro em direção à Zona Sul, a dica é passear pelo Parque do Flamengo, uma das mais completas aéreas de lazer da cidade. No local, espaços para futebol, caminhada, tênis, vôlei, bicicleta, skate, patins, entre outros. Para quem curte corrida, o parque será o ponto de partida da etapa Primavera do Circuito das Estações Caixa, no dia 1º de outubro. Outro importante destaque do parque é o belo paisagismo dos seus jardins projetado por Burle Marx, que, aliás, conta com um sítio aberto para visitação na Zona Oeste do Rio. 

 

vista arena

 

Antes de seguir até a região, vale a pena apreciar as belezas naturais do Arpoador, trecho compreendido entre as praias de Copacabana e Ipanema. E por que não curtir o incrível visual em um rooftop acompanhado de drinks, música e um mergulho na piscina? O hotel Arena Ipanema oferece essa comodidade em seus pacotes de day use, onde é possível desfrutar das áreas sociais do empreendimento, incluindo a piscina, sem precisar estar hospedado.  

 

lagoa

 

Já na Zona Oeste, o visitante tem a oportunidade de apreciar uma variedade de parques, sítios e até pantanal. É na Barra da Tijuca que acontece o tour pelo 'Pantanal Carioca', uma opção de lazer que agrega consciência ambiental e turismo durante um passeio de balsa pela Lagoa de Marapendi. O trajeto é acompanhado de biólogos que apresentam a fauna e flora nativa, entre eles jacarés, diferentes espécies de aves e peixes, flores e plantas. 

 

sitio

     

Não muito distante dali está o Sítio Burle Marx, situado em Barra de Guaratiba. Segundo o paisagista Alexandre Monteiro, além do sítio, a região é um prato cheio para quem gosta de paisagismo. 

 

"O bairro concentra centenas de produtores de plantas ornamentais. A produção desta área tem origem na década de 50, por influência do Roberto Burle Marx que viveu em seu sítio. Referência mundial em termos de pesquisa no tema, o local traz uma oportunidade para se aproximar um pouco mais da flora brasileira e conhecer a vida do mestre do paisagismo", explica. Mas atenção: toda visita precisa ser agendada previamente. 

 

Inserido em uma extensão de vegetação nativa, o Sítio Roberto Burle Marx detém uma das mais importantes coleções de plantas tropicais e semitropicais do mundo. Reconhecido como patrimônio cultural brasileiro desde 1985, o Museu-Casa Burle Marx realiza diversas atividades culturais e funciona como uma escola de paisagismo, botânica e artes em geral. 

 

Arredores 

 

pousada

 

Para quem tiver mais tempo no Rio de Janeiro, vale a pena dar uma esticadinha até a histórica Paraty. Durante a primavera, o charmoso munícipio vai receber o Festival Mimo, entre os dias 06 a 08 de outubro. O maior festival gratuito de música instrumental do país desembarca na cidade ocupando igrejas, museus e parques. Durante o período, a Pousada Porto Imperial, que faz parte da Associação Roteiros de Charme, oferece pacote de duas diárias, para casal, a partir de R$ 1.320,00, com direito a café da manhã. 

 

Serviço:

 

O que fazer: 

 

Jardim Botânico

 

Museu Chácara do Céu

 

Escadaria Selarón 

R. Joaquim Silva, s/n - Centro

 

Sítio Roberto Burle Marx

 

Passeio pelo Pantanal Carioca (empresas que fazem)

 

Onde ficar: 

 

Arena Hotéis 

 

Pousada Porto Imperial 

Rua Ten. Francisco Antônio, s/nº - Paraty 

 

Onde comer: 

 

Coordenadas Bar

 

Novidade no badalado bairro Botafogo, na Zona Sul da cidade, o bar tem uma programação com shows ao vivo às terças-feiras e pista de dança com DJs de quinta à sábado.

 

 

terça-feira, 29 de agosto de 2017

Ilha da Madeira: descubra cenários fascinantes nas águas do Atlântico





Situada em meio à imensidão do Oceano Atlântico, a Ilha da Madeira possui um litoral rico e com exuberante fauna, pronto para ser descoberto por seus visitantes. Em um passeio de barco, saindo do porto da capital Funchal, as chances de se deparar com uma baleia ou um grupo de simpáticos golfinhos são certeiras, o que faz da atividade uma experiência inesquecível. 

Os mais corajosos podem fazer snorkelling ou mergulhar em profundidades que chegam a 3 mil metros, além de nadar com algumas das 28 espécies de cetáceos que habitam os mares madeirenses. O destino é um dos mais privilegiados para essa prática, graças às águas de temperaturas agradáveis e à passividade dos peixes e outros animais marinhos que vivem ali. Há lugares populares, como a Reserva Natural do Garajau, na Ilha da Madeira, além de recifes artificiais como os navios naufragados “Madeirense” e a “Corveta General D’ Eça Pereira”, em Porto Santo - a outra ilha habitada do arquipélago.

São inúmeras as possibilidades para desfrutar, tendo ao redor a vista das falésias e montanhas da costa. Ao sul da ilha, as águas mais tranquilas são perfeitas para a prática de esportes aquáticos como windsurfe, caiaque e stand up paddle. Para aqueles que preferem se aventurar por ondas gigantes, as praias de Jardim do Mar, Pául e Lugar de Baixo oferecem ótimas condições para surfar.

Já no lado norte da ilha, os surfistas podem optar por destinos como São Vicente, Ribeira da Janela e Porto da Cruz, que contam com ondas que proporcionam adrenalina até aos mais experientes.

sábado, 26 de agosto de 2017

Uruguai inova e utiliza validação digital para Tax Free




País implanta tecnologia de ponta em pontos alfandegários e torna-se o pioneiro na América Latina em autogestão do sistema de livre imposto
Montevidéu / São Paulo – agosto de 2017 – Uruguai é o pioneiro na América latina na autogestão de Tax Free. O país inovou e inseriu um dispositivo digital de autogestão para a devolução do imposto ao valor agregado (IVA) de acordo com o regime de Tax Free aos turistas que deixarem o país em alguns portos, aeroportos e fronteiras alfandegarias com outros países. O aeroporto de Carrasco, em Montevidéu e a cidade de Salto, fronteira com Argentina, foram os primeiros postos a receberem o terminal de autogestão e até o fim do ano serão mais três pontos: Fray Bentos, porto de Colônia Del Sacramento e porto de Montevidéu.
Com o novo sistema de validação digital, a operação do Tax Free será realizada em tempo real, minimizando os erros no momento do “input” das informações dos turistas, otimizando o tempo dos funcionários da alfandega e eliminando a inserção de dados e seu processamento posterior.
Além disso, o novo sistema agiliza o processo de saída do turista que pode imputar os dados no terminal, e a empresa responsável por todo o processo, Global Blue, pode conferir os processos em cada ponto em tempo real, já que o mesmo fornece dados estatísticos de performance capazes de acusar possíveis erros.
Global Blue e Uruguai
A Global Blue Argentina, detentora das operações no Uruguai é filial de empresa de origem Suíça, com presença em 36 países. São responsáveis por toda a tramitação de devolução do IVA aos turistas em território uruguaio desde 2012. De acordo com o decreto MEF Nº 7393 de 8 de novembro do mesmo ano foi ganhadora de uma nova licitação realizada em março de 2016.
Essa nova tecnologia é um passo importante a digitalização total do processo de Tax Free, que a empresa realiza no Uruguai. Sendo o primeiro na América Latina em implantar quiosques de auto validação. 
Como adquirir o benefício de Tax Free
Os impostos são devolvidos somente aos turistas estrangeiros, quando requerido pelo visitante nos postos comerciais autorizados pela Direção Geral Impositiva (DGI). Cada comércio deve preencher um formulário e entregar junto a nota fiscal da compra. Os documentos, quando os processos feitos manualmente, devem ser apresentados nos postos da Direção Nacional de Alfandegas. Ou então, atualmente, em terminais de autogestão do Tax Free existente no aeroporto de Carrasco e na fronteira de Salto.
A devolução do dinheiro do IVA não é realizada na hora, mas sim em até cinco dias uteis após a informação do número de cartão de credito na aduana, em caso de aceite da solicitação realizada pelo fiscal alfandegário.
A devolução do IVA ocorre somente para compras de produtos com valores superiores a 600 pesos uruguaios (aproximadamente 21 dólares). 
Pontos de saídas que praticam a devolução de impostos
Os pontos de saída do Uruguai que podem realizar a devolução de impostos são: Aeroporto Internacional de Carrasco, Aeroporto de Laguna Del Sauce, Puerto de Montevidéu, Puerto de Colônia Del Sacramento, Terminal de Arribos de Cruceros de Punta Del Este, Ponte Salto-Concordia, Ponte Paysandú-Colón, Ponte Fray Bentos – Porto Unzué e Chuy.